Sim. Além de ser uma normativa ética que consta no Código de Ética Profissional do Psicólogo, a questão do sigilo nos atendimentos é compreendida como um direito do paciente a ser garantido e assegurado pelo profissional.

 

Assim, o Código de Ética do Psicólogo é bastante claro ao dizer que tudo o que é conversado durante os atendimentos é absolutamente sigiloso (Art. 9º.).

 

A quebra do sigilo só ocorrerá quando o paciente relatar um fato delituoso (feito por ele) ou situações que tragam prejuízo para si próprio ou para terceiros (por exemplo, quando há risco de suicídio ou homicídio).

 

No caso de crianças e adolescentes atendidos, só será revelado em conversas com os pais ou familiares informações absolutamente necessárias para o bem-estar do paciente atendido.

Os resultados esperados são inúmeros e é impossível fazer uma previsão geral para todos os casos, já que cada caso é único e singular.

 

Entretanto, podemos ressaltar que o tratamento traz à pessoa, ao longo da psicoterapia, uma maior possibilidade de reflexão, flexibilidade na forma de pensar e maior conscientização em relação a si e a sua própria vida.

 

As suas escolhas são feitas de forma mais consciente e segura. A pessoa passa a adquirir uma maior capacidade de se autoperceber, podendo refletir sobre seus próprios sentimentos, percepções e pensamentos.

 

Ainda, a psicoterapia auxilia o paciente a encontrar recursos em si próprio para dar conta da realidade e das suas angústias, podendo viver de forma mais livre e criativa.

Como cada caso é único, particular e cada pessoa tem um ritmo e maneira de lidar com suas próprias emoções e pensamentos, fica difícil definir o tempo de duração de uma psicoterapia.

 

No entanto, a terapia cognitiva é uma psicoterapia breve, de curta duração, uma vez que procura tratar os problemas atuais do paciente. Dessa forma, é possível obter resultados rápidos logo nos primeiros meses de terapia.

O Valor da sessão é de R$380,00 para o período de 1 hora, em atendimento individual. Não trabalho com Unimed. 

 

E o que interfere na definição dos valores entre profissionais? 

É comum que psicólogos com muitos anos de formação e extremamente experientes tenham valores de sessões mais elevados.

Por outro lado, ha vários profissionais com menos anos de experiência que buscam aprimorar-se investindo em sua formação teórica e prática e que, apesar de não cobrarem valores tão altos, são habilitados a oferecer um atendimento de ótima qualidade.

 

Outro fator que interfere no valor é o intenso investimento que o profissional deve fazer em sua formação clinica, participando de supervisões, seminários clínicos, congressos e grupos de estudos. 

 

Por fim, o Conselho Federal de Psicologia prevê uma tabela de preços que regula os valores das sessões de psicoterapia. Desta forma, o psicólogo que atende por um valor inferior ao limite mínimo estipulado pelo CFP está sujeito a penalidades legais, por descumprir uma norma legal.

 

Uma prática comum entre os psicólogos é reservar um número de horários para atender a um preço mais acessível aquelas pessoas que realmente não tem condições de pagar o valor integral de uma sessão.

Não existe uma regra que defina que você deve procurar um psicólogo ou uma psicóloga.

 

O mais importante na escolha pelo profissional que irá atendê-lo, é que você possa se sentir a vontade e confiante com a pessoa, independente do sexo do profissional.

 

Grande parte do tratamento irá ocorrer baseado no alto grau de confiança e segurança que você deposita no profissional e, por isso, é muito importante que você opte por alguém com quem você se sinta seguro e confiante.

 

Assim, é importante que você tenha um contato inicial com o profissional para que possa conhecê-lo e avaliar como se sente no contato com ele.

Não há um momento específico na vida para que um psicólogo seja procurado. Ao contrário, a ajuda do psicólogo deve ser buscada nos momentos em que o paciente realmente a deseje, considerando que todos nós precisamos do olhar do outro para nos conhecer e nos desenvolver.

 

É muito comum ouvirmos que “quem procura psicólogo está louco”. Na verdade, este tipo de fala esconde, ao mesmo tempo, o desconhecimento e o medo que as pessoas têm de enfrentar uma situação absolutamente nova e desconhecida.

 

Desconhecimento porque o psicólogo pode, sim, ajudar a todos aqueles que sofrem as dores da alma. E medo porque certamente está é uma situação nova e desconhecida que gera ansiedade naqueles que a vivenciam.

 

Além disso, este tipo de afirmativa aponta para o estigma da “loucura”, algo que foi sendo construído ao longo de nossa história cultural.

 

Assim, é importante desmistificarmos este esteriótipo infundado. Afinal de contas, todos nós temos nossas angústias e dores, e olhar pra elas pode ser um passo importante rumo ao nosso crescimento emocional.

A diferença fundamental é que o psiquiatra é formado em Medicina e o psicólogo formado em Psicologia. Ou seja, psiquiatra e psicólogo são profissionais que têm formações diferentes e estão preparados para lidar com situações que afetam o ser humano utilizando técnicas diferentes.

 

Para se tornar um psiquiatra, o médico deve fazer uma residência em Psiquiatria.  Ou seja, para começar exercer sua clínica, deve concluir o curso de Medicina e especializar-se no estudo e tratamento dos transtornos mentais. 

 

Já o psicólogo estuda o ser humano em seus aspectos biológicos, sociais e psicológicos, buscando compreender o indivíduo em suas relações consigo e com o mundo onde vive. Por estudar o ser humano em seus diferentes contextos, o psicólogo pode atuar em diversas áreas, como em clinicas particulares, escolas, serviços de saúde mental, hospitais, empresas, no setor judiciário, dentre outras.

 

A Psicologia Clinica, que envolve o diagnóstico e o tratamento de dificuldades emocionais, é uma das varias áreas onde o psicólogo pode atuar. No contexto clinico, o psicólogo busca auxiliar o individuo em seu sofrimento psíquico através de técnicas de psicoterapia. Esta opção é feita pelo psicólogo ao longo de sua formação, através do direcionamento de seus estudos e estágios profissionalizantes para a área clínica.

 

Para poder atuar, o profissional deve ser credenciado junto ao Conselho Regional de Psicologia, órgão que regulamenta a prática e a ética profissional do psicólogo em seus vários campos de atuação. 

 

Hoje se sabe que alguns transtornos mentais estão relacionados com alterações químicas no sistema nervoso. Portanto, em alguns casos é necessária a utilização de medicações apropriadas e diante de uma situação deste tipo, o psicólogo pode encaminhar uma pessoa por ele avaliada ou atendida para uma avaliação psiquiátrica, caso suspeite de que aquele caso requer o uso de medicação.

 

Aqui observamos mais uma diferença entre psicólogo e psiquiatra: por ser médico, o psiquiatra pode receitar os medicamentos apropriados para determinados tipos de transtornos emocionais. Já o psicólogo não está habilitado a orientar o uso de nenhum tipo de medicação, utilizando como recursos terapêuticos o diálogo e a relação terapêutica.

 

Vários estudos cientifícos mostram que a terapia cognitiva é altamente eficiente em uma série de problemas emocionais, dentre eles: depressão, ansiedade, pânico, transtornos alimentares, entre outros.

 

Alguns estudos sugerem ainda que a terapia cognitiva é tão eficiente quanto um medicamento, por exemplo, no tratamento da depressão. Esses resultados  serviram para fazer da terapia cognitiva uma abordagem em expansão tanto na clínica como na pesquisa.